“Sentai-vos no confessionário todos os dias, ou pelo menos duas ou três vezes por semana, esperando ali as almas como o pescador espera os peixes. A princípio, talvez não venha ninguém. Levai o breviário, um livro de leitura espiritual ou alguma coisa para meditar. Nos primeiros dias podereis aproveitá-los; depois virá uma velhinha e lhe ensinareis que não basta que ela seja boa, que deve trazer os netos pequeninos. Quatro ou cinco dias depois virão duas menininhas, e depois um rapazote, e depois um homem, um pouco às escondidas… Ao cabo de dois meses, não podereis rezar nada no confessionário, porque as vossas mãos ungidas, como as de Cristo – confundidas com elas, porque sois Cristo -, estarão dizendo: EU TE ABSOLVO”.

“E a alegria de deixá-Lo ali, realmente presente, com o seu Corpo, com o seu Sangue, com a sua Alma e com a sua Divindade, a presidir a toda a vida cristã da paróquia, à espera de que vamos até Ele a dizer-Lhe que O amamos? Sim, o Sacrário tem de ser um ponto importante na vida do sacerdote; a limpeza, as flores, os paramentos sagrados:tudo, tudo. É preciso ir até li com carinho, com amor de mãe e, além disso, com fortaleza de pai, e como crianças pequenas que necessitam de ajuda emprestada de seu Pai-Deus.”

São Josemaría Escrivá. in PRADA, O Fundador do Opus Dei