RITOS INICIAIS

 

  Salmo 27, 8-9

ANTÍFONA DE ENTRADA: O Senhor é a força do seu povo, o baluarte salvador do seu Ungido. Salvai o vosso povo, Senhor, abençoai a vossa herança, sede o seu pastor e guia através dos tempos.

 

Introdução ao espírito da Celebração

 

Muitos cristãos têm uma imagem desfigurada de Jesus. Para uns é o Jesus sentimental nas dificuldades, dos conselhos nas horas difíceis; para outros é o Jesus dos grandes poderes nas situações extremas; para alguns é o Jesus legislador e promulgador de uma lei moral…

Em que Jesus cremos?

A resposta é vital porque a nossa fé n’Ele determina toda a nossa vida. A liturgia da palavra deste domingo poderá ajudar-nos a interiorizar esta pergunta e a procurar dar-lhe resposta.

Façamos um exame de consciência e peçamos perdão das nossas faltas.

 

ORAÇÃO COLECTA: Senhor, fazei-nos viver a cada instante no temor e no amor do vosso Santo nome, porque nunca a vossa providência abandona aqueles que formais solidamente no vosso amor. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo….

 

 

LITURGIA DA PALAVRA

 

Primeira Leitura

 

 

Zacarias 12, 10-11; 13, 1

Eis o que diz o Senhor: «Sobre a casa de David e os habitantes de Jerusalém derramarei um espírito de piedade e de súplica. Ao olhar para Mim, a quem trespassaram, lamentar-se-ão como se lamenta um filho único, chorarão como se chora o primogénito. Naquele dia, haverá grande pranto em Jerusalém, como houve em Hadad-Rimon, na planície de Megido. Naquele dia, jorrará uma nascente para a casa de David e para os habitantes de Jerusalém, a fim de lavar o pecado e a impureza».

 

 

Salmo Responsorial

Sl 62 (63), 2-6.8-9 (R. 2b)

 

Monição: O cântico de meditação é tirado do salmo 62. Nele contemplamos a graça de Deus, bendizemos a nossa vida e exultamos com a nossa união com Ele.

 

Refrão:          A MINHA ALMA TEM SEDE DE VÓS, MEU DEUS.

 

Senhor, sois o meu Deus: desde a aurora Vos procuro.

A minha alma tem sede de Vós.

Por Vós suspiro,

como terra árida, sequiosa, sem água.

 

Quero contemplar-Vos no santuário,

para ver o vosso poder e a vossa glória.

A vossa graça vale mais que a vida:

por isso os meus lábios hão-de cantar-Vos louvores.

 

Assim Vos bendirei toda a minha vida

e em vosso louvor levantarei as mãos.

Serei saciado com saborosos manjares

e com vozes de júbilo Vos louvarei.

 

Porque Vos tornastes o meu refúgio,

exulto à sombra das vossas asas.

Unido a Vós estou, Senhor,

a vossa mão me serve de amparo.

 

Segunda Leitura

 

Gálatas 3, 26-29

Todos vós sois filhos de Deus pela fé em Jesus Cristo, porque todos vós, que fostes baptizados em Cristo, fostes revestidos de Cristo. Não há judeu nem grego, não há escravo nem livre, não há homem nem mulher; todos vós sois um só em Cristo Jesus. Mas, se pertenceis a Cristo, sois então descendência de Abraão, herdeiros segundo a promessa.

 

Aclamação ao Evangelho             

 Jo 10, 27

 

Monição: Se escutamos a voz do Senhor com atenção, Ele torna-Se-nos presente e reconhece-nos como seus discípulos.

 

ALELUIA

 As minhas ovelhas escutam a minha voz, diz o Senhor; 

Eu conheço as minhas ovelhas e elas seguem-Me.

 

 

Evangelho

 

São Lucas 9, 18-24

Um dia, Jesus orava sozinho, estando com Ele apenas os discípulos. Então perguntou-lhes: «Quem dizem as multidões que Eu sou?» Eles responderam: «Uns, João Baptista; outros, que és Elias; e outros, que és um dos antigos profetas que ressuscitou». Disse-lhes Jesus: «E vós, quem dizeis que Eu sou?» Pedro tomou a palavra e respondeu: «És o Messias de Deus». Ele, porém, proibiu-lhes severamente de o dizerem fosse a quem fosse e acrescentou: «O Filho do homem tem de sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos príncipes dos sacerdotes e pelos escribas; tem de ser morto e ressuscitar ao terceiro dia». Depois, dirigindo-Se a todos, disse: «Se alguém quiser vir comigo, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz todos os dias e siga-Me. Pois quem quiser salvar a sua vida, há-de perdê-la; mas quem perder a sua vida por minha causa, salvá-la-á».

 

Sugestões para a homilia

 

Quem é Jesus?

O que representa para mim?

Como reconhecer o cristão

Quem é Jesus?

A pergunta de Jesus: «Quem dizem as multidões que Eu sou?», continua a pedir uma resposta em cada geração. Permanecem muitas opiniões em relação a Ele. É reconhecido como um homem que lutou pelo amor, fraternidade, paz e justiça. É admirado pela preferência em favor dos pobres: desfavorecidos, marginalizados, desprezados. É apreciado pela coragem que teve em defrontar o poder instituído, a honestidade e nobreza de alma, a sua dignidade e determinação perante a morte. Mas tal como os escribas e fariseus do seu tempo não é reconhecido como o Messias prometido. Os próprios discípulos ainda não o viam como tal. Não tinham compreendido que a Sua missão era o oposto daquilo que pensavam.

À segunda pergunta: «E vós, quem dizeis que Eu sou?», Pedro responde prontamente, porque entende que Ele na altura própria agirá como vitorioso. Daí a ordenação de silêncio que Jesus lhes impõe, pois o seu triunfo passava pela humilhação, pela derrota e não pelo êxito e glória humanas. Mais adiante Jesus esclarece ao anunciar a Sua paixão, morte e ressurreição.

Em Jesus, Deus mostrou que o maior crime cometido pelos homens pode ser transformado num acto de supremo amor que, como nos diz a primeira leitura, «lavou o pecado e a impureza» derrotando a morte.

O que representa para mim?

Ainda hoje Jesus nos faz a segunda pergunta: «Quem dizes tu que Eu sou?».

Acreditar em Jesus não significa professar a fé num conjunto de verdades apreendidas quando se frequentou a catequese. Acreditar em Jesus é segui-l´O partilhando o Seu próprio destino, fazendo-se um com Ele: «Se alguém quiser vir comigo, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz todos os dias e siga-Me».

O Senhor exige que deixe de centrar a minha vida em mim próprio e nas minhas preocupações; que tenha a coragem de a perder; que me empenhe diariamente em vencer as dificuldades, as provas e as seduções mundanas que me envolvem.

Para isso tenho de doar a minha vida permanentemente em casa: ao marido, à esposa, aos filhos, aos pais, aos avós; no prédio onde habito: aos vizinhos; no trabalho: compreendendo e auxiliando os companheiros; na escola: amparando aqueles que sentem dificuldades; na sociedade: assistindo voluntariamente os mais desfavorecidos; enfim, em tudo aquilo que possa fazer por amor dos outros, abandonando o meu egoísmo.

Como reconhecer o cristão

Esse amor é o sinal de que estou revestido de Cristo, como nos diz S. Paulo na segunda leitura. Todos devem poder reconhecer no cristão a presença da pessoa de Jesus pelo modo como procura compreender os outros, desculpar, ajudar e ir ao encontro daqueles que erram, perdoando e amando os que lhe querem mal.

Esta identificação facultada pelo baptismo, deve ser cultivada por mim todos os dias, a fim de me conferir igual valor e idêntica dignidade para que não existam classes, origens ou sexos.

Já procurei superar todas estas distinções de modo que quem me cerca reconheça Cristo em mim e na minha comunidade?

 

LITURGIA EUCARÍSTICA

 

ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS: Por este sacrifício de reconciliação e de louvor, purificai, Senhor, os nossos corações, para que se tornem uma oblação agradável a vossos olhos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo….

 

SANTO

 

Monição da Comunhão

 

Que a comunhão do Corpo e Sangue de Jesus se torne presente na nossa vida quotidiana, numa perspectiva de fé e de amor, de modo que mostre aos homens nossos irmãos o que Ele significa para cada um de nós.

 

Salmo 144, 15

ANTÍFONA DA COMUNHÃO: Os olhos de todos esperam em Vós, Senhor, e a seu tempo lhes dais o alimento.

 

Ou

    Jo 10, 11.15

Eu sou o Bom Pastor e dou a vida pelas minhas ovelhas, diz o Senhor.

 

ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO: Senhor, que nos renovastes pela comunhão do Corpo e do Sangue de Cristo, fazei que a participação nestes mistérios nos alcance a plenitude da redenção. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo….

 

 

RITOS FINAIS

 

Monição final

 

Respondamos à pergunta do Senhor: «Quem dizeis vós que Eu sou?», com a abertura à Sua acção nas nossas vidas e numa colaboração activa na construção de um mundo de amor, de unidade e de paz que respeite em cada ser humano a Sua imagem.

 

 

HOMILIAS FERIAIS

 

12ª SEMANA

 

2ª Feira, 24-VI: Julgados com que medida?

Reis 17, 5-8. 13-15. 18 / Mt 7, 1-5

 Segundo a medida que fizerdes é que haveis de ser julgados, e a medida que empregardes é que hão-de empregar para vós.

Quando o Senhor nos tiver que julgar, procederá de acordo com estas suas palavras: «A atitude tomada para com o próximo, revelará a aceitação ou a recusa da graça e do amor divino (Ev.)» (CIC, 678).

Uma coisa semelhante aconteceu a Israel. Os seus habitantes não quiseram obedecer; os seus corações endureceram, não acreditaram no Senhor: desprezaram os seus preceitos, bem como a Aliança estabelecida. «Então o Senhor indignou-se grandemente contra Israel e lançou-o para longe da sua presença» (Leit.).

 

3ª Feira, 25-VI: Escolher bem o nosso caminho.

Reis 19, 9-11. 14-21. 31-35 / Mt 7, 6. 12-14

Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta e espaçoso o caminho que levam à perdição.

«O caminho de Cristo ‘leva à vida’; um caminho contrário ‘leva à perdição’ (Ev.). A parábola evangélica dos dois caminhos… significa a importância das decisões morais para a nossa salvação. Há dois caminhos, um da vida, outro da morte, mas entre os dois existe uma grande diferença» (CIC, 1696).

O rei da Assíria escolheu o caminho da perdição, ao aconselhar o rei de Judá que não se deixasse enganar por Deus, e depois «o Anjo do Senhor foi ao acampamento sírio e feriu cento e oitenta mil homens» (Leit.).

 

4ª Feira, 26-VI: Os frutos da graça de Deus.

Reis 22, 8-13; 23, 1-3 / Mt 7, 15-20

Assim, toda a árvore boa dá bons frutos, e a árvore má dá maus frutos.

A garantia da obtenção de bons frutos é dada pela graça de Deus: «Segundo a palavra do Senhor, que diz: ‘pelos seus frutos os conhecereis’ (Ev.), a consideração dos frutos na nossa vida e na vida dos santos oferece-nos uma garantia de que a graça de Deus opera em nós e nos incita a uma fé cada vez maior» (CIC, 2005).

O rei Josías, ao ler o Livro da Aliança, deu-se conta de que o povo não se estava a portar bem. Uma vez lido o Livro todos se converteram (Leit.). O mesmo nos acontecerá se lermos com amor o livro dos Evangelhos.

 

 

 

 

 

 

Celebração e Homilia:          ANTÓNIO E. PORTELA

Nota Exegética:                     GERALDO MORUJÃO

Homilias Feriais:                    NUNO ROMÃO

Sugestão Musical:                  DUARTE NUNO ROCHA