RITOS INICIAIS

 

Salmo 67, 6-7.36

ANTÍFONA DE ENTRADA: Deus vive na sua morada santa, Ele prepara uma casa para o pobre. É a força e o vigor do seu povo.

 

Introdução ao espírito da Celebração

 

O homem não foi feito para a solidão, para o isolamento. Está chamado à comunhão com Deus e com os outros homens, nesta vida e na futura.

Esta comunhão fomenta-se e intensifica-se através do diálogo. Um dos modos de comunicar do coração humano é a fala. Do encontro nasce a amizade, vocacionada para crescer até à comunhão perfeita no Céu.

Deus planeou que homem se encontrasse com Ele, como um filho com o Pai, num diálogo íntimo a que chamamos oração. Por isso, ela não algo acidental na vida, mas uma parte importante da nossa vida de filhos de Deus.

Na Liturgia da Palavra de hoje, a Igreja ensina-nos a importância que devemos reservar à oração na nossa vida e como a havemos fazer.

Preparemo-nos para acolher esta mensagem confortante para a nossa vida com Deus.

 

ACTO PENITENCIAL

 

Nos, que sentimos tanta necessidade de dialogar com as pessoas que vivem ao nosso lado, ainda não compreendemos a necessidade e o conforto que é dialogar com Deus pela oração.

Dedicamos-lhe pouco tempo e rezamos sem atenção, de coração vazio e distraídos.

Peçamos perdão destas nossas atitudes pouco delicadas e peçamos ao Senhor nos ajude a uma conversão profunda.

 

(Tempo de silêncio. Apresentamos, como alternativa, elementos para o esquema C)

 

•    Senhor: temos dificuldade em encontrar tempo para a oração,

porque ainda não descobrimos o valor e a necessidade dela.

Senhor, misericórdia!

 

Senhor, misericórdia!

 

•    Cristo: somos mesquinhos, ao destinar tempo para rezar,

reservando para isso pouco tempo daquele que nos sobeja.

Cristo, misericórdia!

 

Cristo, misericórdia!

 

•    Senhor: rezamos distraídos, com impaciência e sem amor,

procurando interesseiramente só os interesses materiais.

Senhor, misericórdia!

 

Senhor, misericórdia!

 

Deus todo poderoso tenha compaixão de nós,

perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna.

 

ORAÇÃO COLECTA: Deus, protector dos que em Vós esperam: sem Vós nada tem valor, nada é santo. Multiplicai sobre nós a vossa misericórdia, para que, conduzidos por Vós, usemos de tal modo os bens temporais que possamos aderir desde já aos bens eternos. Por Nosso Senhor …

 

 

LITURGIA DA PALAVRA

 

Primeira Leitura

 

Monição: Abraão fala com o Senhor face a face, intercedendo pelas cidades pecadoras.

É um exemplo claro de como havemos de fazer oração: com humildade, reverência, respeito, mas também com ousadia e confiança, manifestando ao nosso Pai do Céu o que nos inquieta, as nossas dúvidas e anseios.

Por meio dela tentamos ainda perceber os projectos de Deus para o mundo e para cada um de nós.

 

Génesis 18, 20-32

20Naqueles dias, disse o Senhor: «O clamor contra Sodoma e Gomorra é tão forte, o seu pecado é tão grave que 21Eu vou descer para verificar se o clamor que chegou até Mim corresponde inteiramente às suas obras. Se sim ou não, hei-de sabê-lo». 22Os homens que tinham vindo à residência de Abraão dirigiram-se então para Sodoma, enquanto o Senhor continuava junto de Abraão. 23Este aproximou-se e disse: «Irás destruir o justo com o pecador? 24Talvez haja cinquenta justos na cidade. Matá-los-ás a todos? Não perdoarás a essa cidade, por causa dos cinquenta justos que nela residem? 25Longe de Ti fazer tal coisa: dar a morte ao justo e ao pecador, de modo que o justo e o pecador tenham a mesma sorte! Longe de Ti! O juiz de toda a terra não fará justiça?» 26O Senhor respondeu-lhe: «Se encontrar em Sodoma cinquenta justos, perdoarei a toda a cidade por causa deles». 27Abraão insistiu: «Atrevo-me a falar ao meu Senhor, eu que não passo de pó e cinza: 28talvez para cinquenta justos faltem cinco. Por causa de cinco, destruirás toda a cidade?» O Senhor respondeu: «Não a destruirei se lá encontrar quarenta e cinco justos». 29Abraão insistiu mais uma vez: «Talvez não se encontrem nela mais de quarenta». O Senhor respondeu: «Não a destruirei em atenção a esses quarenta». 30Abraão disse ainda: «Se o meu Senhor não levar a mal, falarei mais uma vez: talvez haja lá trinta justos». O Senhor respondeu: «Não farei a destruição, se lá encontrar esses trinta». 31Abraão insistiu novamente: «Atrevo-me ainda a falar ao meu Senhor: talvez não se encontrem lá mais de vinte justos». O Senhor respondeu: «Não destruirei a cidade em atenção a esses vinte». 32Abraão prosseguiu: «Se o meu Senhor não levar a mal, falarei ainda esta vez: talvez lá não se encontrem senão dez». O Senhor respondeu: «Em atenção a esses dez, não destruirei a cidade».

 

20-21 «O clamor que chegou até Mim…» Desta expressão procede a catalogação nos catecismos do pecado de homossexualidade ou sodomia como um «pecado que brada aos Céus», dada a sua especial gravidade, contra a natureza: «o seu pecado é tão grave…» «Vou descer, para verificar…» Trata-se dum antropomorfismo que empresta grande colorido e vivacidade ao relato, e que caracteriza a tradição javista. Esta maneira de falar de Deus à maneira humana põe aqui em evidência a justiça divina que não pune sem o pleno conhecimento da causa.

23-32 «Cinquenta… quarenta e cinco… quarenta… trinta… vinte… dez». Chamamos a atenção para a mentalidade de responsabilidade colectiva, corrente em Israel, que está na base do episódio, segundo a qual também os inocentes têm de sofrer o castigo juntamente com os culpados: para não haver castigo era uma questão de um relativo número de inocentes. O relato deixa ver que Deus não castiga o inocente junto com o pecador, como pensava Abraão; esta verdade da responsabilidade individual há-de ser bem vincada nos Profetas (cf. Jer 31, 29-30; Ez 18, 1-32). De qualquer modo, não deixa de ser enternecedor este diálogo, esta oração de intercessão ao Senhor, toda repassada de confiança e santo temor, perseverança, humildade e audácia santa. Se Deus não precisa das nossas insistências para nos atender, nós precisamos de nos colocar no nosso lugar de pedintes, para nos dispormos, com a nossa impertinência, a receber os dons que Deus tem para nos dar (cf. a parábola do «amigo impertinente» do Evangelho de hoje).

 

Salmo Responsorial

Sl 137 (138), 1-3.6-8 (R. 3a)

 

Monição: O salmo que a Liturgia nos propõe para meditar é um cântico de louvor e confiança no Senhor que sempre nos atende.

É pois, olhando a grandeza e omnipotência de Deus e a nossa pequenez que manifestamos a nossa confiança n’Ele, dispondo-nos a abrir-Lhe o coração num diálogo íntimo.

 

Refrão:          QUANDO VOS INVOCO, SEMPRE ME ATENDEIS, SENHOR.

 

De todo o coração, Senhor, eu Vos dou graças,

porque ouvistes as palavras da minha boca.

Na presença dos Anjos hei-de cantar-Vos

e adorar-Vos, voltado para o vosso templo santo.

 

Hei-de louvar o vosso nome pela vossa bondade e fidelidade,

porque exaltastes acima de tudo o vosso nome e a vossa promessa.

Quando Vos invoquei, me respondestes,

aumentastes a fortaleza da minha alma.

 

O Senhor é excelso e olha para o humilde,

ao soberbo conhece-o de longe.

No meio da tribulação Vós me conservais a vida,

Vós me ajudais contra os meus inimigos.

 

A vossa mão direita me salvará,

o Senhor completará o que em meu auxílio começou.

Senhor, a vossa bondade é eterna,

não abandoneis a obra das vossas mãos.

 

Segunda Leitura

 

Monição: Na Carta aos Colossenses, S. Paulo convida-nos a fazer de Cristo a referência fundamental da nossa vida.

Neste contexto de reflexão sobre a oração, podemos dizer que Cristo tem de ser a referência e o modelo de todos os que rezam: quer na frequência com que se dirige ao Pai, quer na forma como dialoga com o Pai.

 

Colossenses 2, 12-14

Irmãos: 12Sepultados com Cristo no baptismo, também com Ele fostes ressuscitados pela fé que tivestes no poder de Deus que O ressuscitou dos mortos. 13Quando estáveis mortos nos vossos pecados e na incircuncisão da vossa carne, Deus fez que voltásseis à vida com Cristo e perdoou-nos todas as nossas faltas. 14Anulou o documento da nossa dívida, com as suas disposições contra nós; suprimiu-o, cravando-o na cruz.

 

1 «Sepultados… ressuscitados…» Cf. Rom 6, 3-4, onde S. Paulo faz apelo ao simbolismo do Baptismo por imersão: simbolizava a morte e a sepultura para o pecado, no gesto de se ficar submerso na água; o subsequente acto de emergir da água simbolizava a Ressurreição, a vida nova que o cristão tem de viver em união com Cristo ressuscitado. Mas esta morte e ressurreição do Cristo não são uma mera metáfora, são uma realidade sobrenatural, são o mistério da vida cristã, uma vida em Cristo.

14 «Anulou o documento». A nossa sugere uma possível interpretação desta difícil passagem, tendo em conta uma tradição rabínica, segundo a qual os pecados das pessoas ficavam escritos num livro divino de registos; este documento era redigido a partir das transgressões da Lei «com as suas disposições contra nós». Mas Deus, ao perdoar-nos todas as nossas faltas (v. 13), «anulou o documento da nossa dívida»: «Suprimiu-o, cravando cravando-o na Cruz». Com esta imagem de cravar na Cruz exprime-se a destruição radical e definitiva salvação, por força da Morte redentora de Cristo.

 

Aclamação ao Evangelho              

Rom 8, 15bc

 

Monição: Com uma paciência infinita, Jesus ensina-nos a fazer oração e desvenda-nos os seus tesouros.

Ensina-nos que a oração do fiel deve ser um diálogo confiante de uma criança com o seu «papá». Somos convidados a descobrir em Deus «o Pai» e a dialogar frequentemente com Ele acerca desse mundo novo que o Ele quer oferecer-nos.

Aclamemos o Evangelho que faz chegar até nós estas confortantes verdades.

 

ALELUIA

 

Recebestes o espírito de adopção filial; nele clamamos: «Abba, ó Pai».

 

 

Evangelho

 

São Lucas 11, 1-13

Naquele tempo, 1estava Jesus em oração em certo lugar. Ao terminar, disse-Lhe um dos discípulos: «Senhor, ensina-nos a orar, como João Baptista ensinou também os seus discípulos». 2Disse-lhes Jesus: «Quando orardes, dizei: ‘Pai, santificado seja o vosso nome; venha o vosso reino; 3dai-nos em cada dia o pão da nossa subsistência; 4perdoai-nos os nossos pecados, porque também nós perdoamos a todo aquele que nos ofende; e não nos deixeis cair em tentação’». 5Disse-lhes ainda: «Se algum de vós tiver um amigo, poderá ter de ir a sua casa à meia-noite, para lhe dizer: ‘Amigo, empresta-me três pães, 6porque chegou de viagem um dos meus amigos e não tenho nada para lhe dar’. 7Ele poderá responder lá de dentro: ‘Não me incomodes; a porta está fechada, eu e os meus filhos estamos deitados e não posso levantar-me para te dar os pães’. 8Eu vos digo: Se ele não se levantar por ser amigo, ao menos, por causa da sua insistência, levantar-se-á para lhe dar tudo aquilo de que precisa. 9Também vos digo: Pedi e dar-se-vos-á; procurai e encontrareis; batei à porta e abrir-se-vos-á. 10Porque quem pede recebe; quem procura encontra e a quem bate à porta, abrir-se-á. 11Se um de vós for pai e um filho lhe pedir peixe, em vez de peixe dar-lhe-á uma serpente? 12E se lhe pedir um ovo, dar-lhe-á um escorpião? 13Se vós, que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do Céu dará o Espírito Santo àqueles que Lho pedem!».

 

1 «Em certo lugar». Uma antiga tradição, que deu origem à igreja do Pai-Nosso, identifica este lugar com o Monte das Oliveiras. No claustro dessa basílica constantiniana pode-se ler o Pai-Nosso em enorme quantidade de línguas, entre as quais o português.

2 «Quando orardes, dizei». A fórmula de S. Lucas é mais pequena: apenas 5 petições das 7 de Mt 6, 9-13. A diversidade dos contextos poderá favorecer a opinião de que Jesus possa ter, por várias vezes, ensinado uma fórmula não literalmente idêntica. No entanto, a maioria dos exegetas modernos inclina-se para que as duas versões da oração dominical remontem a uma única fórmula básica primitiva, mais próxima da de Lucas. Na vida da Igreja, se difundiu a fórmula mais longa de Mateus.

5-8 A parábola do amigo importuno introduz o ensinamento de Jesus sobre o valor e a eficácia da oração confiada e persistente («também Eu vos digo»: vv. 9-13) – «Batei à porta, e abrir-se-vos-á». O Catecismo da Igreja Católica, nº 2613, comenta: «àquele que assim ora, o Pai celeste «dará tudo quanto necessita», e dará, sobretudo, o Espírito Santo, que encerra todos os dons»

 

Sugestões para a homilia

 

•    A oração, diálogo entre o filho e o Pai

Encontro com Deus

Abrir o coração ao Senhor

Familiaridade no diálogo

•    Disposições para fazer oração

Lembrança da filiação divina

Comunhão com a vontade do Pai

O que havemos de pedir

 

Estamos em tempo de prova na terra, no uso da liberdade, e caminhamos para uma comunhão perfeita e eterna com a Santíssima Trindade e com os anjos e os santos.

Um dos meios para fomentarmos esta comunhão íntima é o diálogo com Deus a que chamamos oração.

1. A oração, diálogo entre o filho e o Pai

O diálogo de Abraão com Deus, intercedendo pelas cidades pecadoras, é cheio de beleza e de ensinamentos.

 

a) Encontro com Deus. «Os homens que tinham vindo à residência de Abraão dirigiram-se então para Sodoma, enquanto o Senhor continuava junto de Abraão

Quando vamos fazer oração, não havemos de entrar impensadamente, distraídos, mas tomando consciência de que estamos diante do nosso Pai do Céu.

Muitas vezes fazemos mal a oração e não lhe ganhamos afeição porque a fazemos mal. Começamos precipitadamente nem parar um momento a pensar o que vamos fazer, na Presença de Quem estamos e o que queremos pedir-Lhe.

Isto acontece principalmente na oração vocal, começando a balbuciar fórmulas sem lhe prestar atenção.

Guardemos este conselho de um santo: «Repara no que dizes, quem o diz e a quem»

Comecemos por nos pormos na presença de Deus, façamos um acto de humildade diante d’Ele, reconhecendo a santidade e grandeza do Senhor e a nossa pequenez.

Lembremo-nos de que, mesmo quando estamos distraídos, Ele está atento ao que vamos dizer-Lhe, como se não houvesse mais ninguém no mundo.

 

b) Abrir o coração ao Senhor. «Este aproximou-se e disse: ‘Irás destruir o justo com o pecador?’»

Quando vamos orar, abrimos o coração ao Senhor, falando-Lhe confiadamente do que nos preocupa.

A oração do santo Patriarca Abraão é um exemplo de como devemos orar: trava um diálogo com Deus, um diálogo humilde, reverente, respeitoso, íntimo, cheio de confiança, de ousadia e de esperança.

Não cai numa repetição de palavras ocas, como se fossem gravadas e repetidas por um gravador ou por um papagaio, mas é um diálogo espontâneo e sincero, no qual ele se expõe e coloca diante de Deus tudo aquilo que lhe enche o coração.

A oração que fazemos é um diálogo como este, espontâneo, vivo, confiante com Deus, ou é uma repetição fastidiosa de fórmulas feitas, mastigadas à pressa e sem significado nem atenção?

Não podemos viver uma vida real e outra imaginária que apresentamos ao Senhor na oração.

Neste abrir o coração havemos de guardar espaço para que o Senhor abra o Seu Coração divino connosco. É importante falar e ouvir.

 

c) Familiaridade no diálogo. «Abraão insistiu: ‘Atrevo-me a falar ao meu Senhor, eu que não passo de pó e cinza.’»

O diálogo de Abraão com o Senhor – modelo da nossa oração – é cheio de familiaridade. Abraão, em palavras simples, como quem conversa com o maior dos amigos, não procura palavras solenes, com efeito oratório, mas familiares: «Atrevo-me a falar ao meu Senhor»; «Se o meu Senhor não levar a mal, falarei mais uma vez»; «Atrevo-me ainda a falar ao meu Senhor

Depois deste diálogo intenso entre Abraão e Deus, houve algum resultado palpável desta oração?

À primeira vista parece que nada se conseguiu. As cidades acabaram por ser destruídas até aos dias de hoje. Olhando tudo isto com maior atenção, verificamos que se salvou Lot, o sobrinho de Abraão, com toda a sua família. Os poucos justos foram afastados das cidades, para não perecerem juntamente com os pecadores.

Além disso, manifestou-se a riqueza do coração de Abraão, preocupado com a sorte dos outros.

Nunca regressámos da oração de mãos vazias. Deus responde sempre antes, mais e melhor do que esperamos e pedimos.

É sempre verdade o que proclamamos no salmo responsorial: «Quando Vos invoco, sempre me atendeis, Senhor

2. Disposições para fazer oração

À imitação dos Apóstolos, também nós devemos pedir humildemente ao Senhor que nos ensine a fazer oração. Quando nos disponibilizamos para orar, deveríamos começar por aqui.

a) Lembrança da filiação divina. «Quando orardes, dizei: ‘Pai.’»

É a primeira recomendação de Jesus, quando vamos fazer oração: lembrarmo-nos de que não nos vamos dirigir a alguém muito acima do nosso nível social, económico ou cultural, a quem é preciso fazer muitas mesuras antes de começar a falar. Tudo é muito mais simples: dirigimo-nos ao nosso Pai do Céu. E, como Pai:

• Não tem horários de atendimento. Está sempre disponível: de noite ou de dia, quando estamos na rua, no trabalho, na cama ou no templo. Basta um leve bater à Sua porta, manifestando que Lhe queremos falar, e logo somos recebidos em audiência com toda a cordialidade.

• Nem restrição de assuntos. Estamos habituados a que as pessoas importantes comecem a mastigar, quando lhes falamos em determinados temas, a deixar reticências nas conversas, ou simplesmente a dizer que não é conveniente meter-se neste assunto.

Com o nosso Pai é diferente. Encara os assuntos e ilumina-nos, para vermos as suas implicações, acabando por nos ajudar a encontrar uma solução.

• Nem respostas evasivas. Muitas vezes saímos das entrevistas com os homens de alma vazia, desiludidos ou, pelo menos, com uma enorme incerteza sobre a segurança que nos merecem as suas palavras.

O Senhor faz-nos ver cordialmente se uma solução não nos convém e porque não nos convém.

É sempre muito agradável falar com o nosso Pai do Céu.

 

b) Comunhão com a vontade do Pai. «santificado seja o vosso nome; venha o vosso reino

É a confiança ilimitada no melhor dos pais que nos leva a esta comunhão com a Sua vontade. Sabemos de antemão que nos ama e escolhe sempre o melhor para nós.

Somos tentados, por vezes, a forçá-l’O para seguir a nossa vontade. Pedimos cm insistência, sem admitir outras hipóteses de solução do problema que Lhe apresentamos; e se Ele nos leva por outros caminhos, ficamos amuados. Às vezes até dizemos que encontramos em crise de fé.

A fé ensina-nos que Ele sabe infinitamente mais do que nós. E, como nos ama, escolhe cuidadosamente o que é melhor.

Perseveremos na oração e substituamos em nosso vocabulário certas expressões: nunca digamos «não consegui», mas «ainda não consegui». E não digamos «o Senhor não me deu o que pedia», mas o Senhor vai dar-me melhor do que o pedido». Quando fazemos oração, ou recebemos o que pedimos, ou outra graça maior.

Descansemos na certeza da fé de que Deus nos ama com loucura… e ficaremos cheios de paz, mesmo quando não alcançamos o que tínhamos pedido. Poderia parecer que a oração do Jardim das Oliveiras ficou sem resposta. Mas não: Cristo recebeu – humanamente falando – força para cumprir até ao fim o plano salvador do Pai; e apareceu-Lhe um anjo que confortava. Nunca voltamos da oração com as mãos vazias.

 

c) O que havemos de pedir. «dai-nos em cada dia o pão da nossa subsistência; perdoai-nos os nossos pecados, […]; e não nos deixeis cair em tentação».

Todos guardamos uma interminável lista de pedidos para apresentar ao Senhor na oração. Por vezes, um assunto sobrepõe-se aos outros.

O Senhor não nos desanima de pedirmos o que quisermos. Mas ensina-nos a ter uma hierarquia de valores.

• O pão de cada dia. E, ao fazê-lo, não pensemos exclusivamente no pão para a nossa boca. Peçamos, principalmente o Alimento Eucarístico.

Com este pedido vão implícitos outros: o dom de termos sempre sacerdotes em número suficiente, porque, sem eles, não há Eucaristia; a graça de sentirmos fome de o receber, porque de nada nos adianta ter alimento, se o não queremos tomar; a bênção de termos junto de nós um sacerdote, quando precisarmos do viático para a grande viagem.

Somos sinceros e lógicos, quando pedimos o pão de cada dia e, podendo sem grande esforço, participar na santa Missa todos os dias, o não fazemos por preguiça?

• A vitória sobre o Maligno. Reconhecemos com esta prece a nossa debilidade e a facilidade com que nos deixamos enganar.

Mais uma vez somos encorajados a fazer o que está ao nosso alcance para esta vitória:

– O fortalecimento na oração e sacramentos.

– A fuga das ocasiões.

A santa Missa é o lugar por excelência para viver em intimidade com Deus: escutando a Sua Palavra e recebendo-O sacramentalmente.

Que a Mãe de Deus e nossa Mãe nos ajude e ensine a fazê-lo.

 

 LITURGIA EUCARÍSTICA

 

INTRODUÇÃO

 

Pela Palavra do Senhor que foi para nós proclamada, participamos da divina Sabedoria, ao acolhê-la com fé.

Jesus Cristo prepara agora, pelo ministério do sacerdote, a transubstanciação do pão e do vinho no Seu Corpo e Sangue, para que tenhamos a Vida em nós.

Agradeçamos mais esta solicitude do Senhor e avivemos a nossa fé no mistério Eucarístico em que vamos participar.

 

ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS: Aceitai, Senhor, os dons que recebemos da vossa generosidade e trazemos ao vosso altar, e fazei que estes sagrados mistérios, por obra da vossa graça, nos santifiquem na vida presente e nos conduzam às alegrias eternas. Por Nosso Senhor…

 

SANTO

 

SAUDAÇÃO DA PAZ

 

Que sentido faria chamarmos a Deus nosso Pai na oração, se não estivéssemos dispostos a aceitar os outros como irmãos, perdoando e aceitando ser perdoados das ofensas mútuas?

Signifiquemos com o gesto litúrgico a nossa disposição interior de nos abrirmos à reconciliação no Senhor.

 

Saudai-vos na paz de Cristo!

 

Monição da Comunhão

 

O Senhor recomendou-nos que pedíssemos, ao rezar, o pão nosso para cada dia. Ao fazê-lo, estávamos a implorar também a graça da comunhão sacramental.

Agora que o Senhor está disponível para descer à nossa baixeza, examinemos a nossa vida, para sabermos se estamos e condições de comungar, e façamo-lo com fé, amor e devoção.

 

Salmo 102, 2

ANTÍFONA DA COMUNHÃO: Bendiz, ó minha alma, o Senhor, e não esqueças os seus benefícios.

 

Ou

Mt 5, 7-8

Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.

 

ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO: Senhor, que nos destes a graça de participar neste divino sacramento, memorial perene da paixão do vosso Filho, fazei que este dom do seu amor infinito sirva para a nossa salvação. Por Nosso Senhor…

 

 

RITOS FINAIS

 

Monição final

 

Acolhamos, pressurosos, a recomendação de Jesus de nos dedicarmos continuamente à oração.

Ajudemos os nossos irmãos a procurar esta ajuda indispensável, na sua caminhada para o Céu.

 

 

Celebração e Homilia:          FERNANDO SILVA

Nota Exegética:                     GERALDO MORUJÃO

Homilias Feriais:                    NUNO ROMÃO

Sugestão Musical:                  DUARTE NUNO ROCHA