A Volta de Cristo

Estamos no penúltimo domingo do Ano Litúrgico.

A Palavra de Deus convida-nos a meditar no fim último do homem, no seu destino além da morte. A meta final, para onde Deus nos conduz, faz nascer em nós a esperança e a coragem para enfrentar as adversidades e lutar pelo advento do Reino.

Nesses domingos, os últimos do final do Tempo Comum e os dois primeiros do Advento querem levar os discípulos de Cristo a viverem a dimensão escatológica da vida cristã

Escatológico, significa aquilo que se refere às últimas realidades já presentes no aqui e agora da vida cristã, sobretudo após a ressurreição de Cristo. Vem da palavra “escaton”, que significa o fim, as últimas coisas.

O Profeta Daniel (Dn 12, 1-3) mostra o povo judeu oprimido sob a dominação dos gregos. Muitos judeus, apavorados pela perseguição, abandonavam até a fé …

O objetivo desse livro era animar o povo a resistir diante dos opressores e lembrar que a vitória final será dos justos que perseverarem fiéis. É a primeira profissão de fé na Ressurreição, que se encontra na Bíblia.

Já no Evangelho (Mc 13, 24-33) no discurso escatológico, Jesus ensina como os seus discípulos devem viver no tempo que vai de sua elevação da terra até o seu retorno glorioso. Jesus anuncia a destruição de Jerusalém e o começo de uma nova era, com a sua vinda gloriosa após a ressurreição. São Marcos apresenta-nos uma parte do sermão de Jesus sobre o fim dos tempos. Neste sermão, há uma frase que surpreende pela sua clareza sintética: “O Céu e a Terra passarão, mas as Minhas palavras não passarão” (Mc 13, 31 ).

A expressão “o Céu e a Terra” é frequente na Bíblia para indicar todo o Universo, a Criação inteira. Jesus declara que tudo isto está destinado a “passar”. Não só a terra, mas também o céu, que aqui é entendido precisamente em sentido cósmico, não como sinônimo de Deus. A sagrada Escritura não conhece ambiguidades: toda a criação está marcada pela finitude, incluídos os elementos divinizados pelas antigas mitologias: não há confusão alguma entre a criação e o Criador, mas uma diferença evidente. Com esta clara distinção, jesus afirma que as suas palavras “não passarão”, ou seja, estão da parte de Deus e por isso são eternas.

A intenção não era assustar, mas conduzir a comunidade a discernir os fatos catastróficos e o futuro da comunidade cristã dentro da história.

Não deviam ver como o fim do mundo, mas o início de um mundo novo. Portanto, não deviam dar ouvidos a pessoas que anunciavam o fim do mundo. Jesus não descreve o fim do mundo, e quando usa imagens apocalípticas, não se comporta como um “vidente”. Ao contrário, Ele quer subtrair os discípulos de qualquer época da curiosidade pelas datas, pelas previsões, e deseja ao contrário dar-lhes uma chave de leitura profunda, essencial, e sobretudo indicar a senda justa sobre a qual caminhar, hoje e amanhã, para entrar na vida eterna. Tudo passa – recorda-nos o Senhor – mas a Palavra de Deus não muda, e face a ela cada um de nós é responsável pelo próprio comportamento. Com base nisto seremos julgados.

Quanto ao dia e hora, só o Pai sabe…, mais ninguém…

Para nós o mais importante não é saber quando isso irá acontecer, mas sim estar vigilantes e preparados para ele.

O cristão não pode ficar de braços cruzados, esperando que as coisas simplesmente aconteçam.

A vida é realmente muito curta e o encontro com Jesus está próximo. Isto ajuda-nos a despreender-nos dos bens que temos de utilizar e aproveitar o tempo; mas não nos exime de maneira nenhuma de dedicar-nos plenamente à nossa profissão no seio da sociedade. Mais ainda: é com os nossos afazeres terrenos, ajudados pela graça, que temos de ganhar o Céu.

E que a humanidade não caminha para a destruição, para o nada; caminha ao encontro da vida plena, ao encontro de um mundo novo.

Cristo que veio, pela primeira vez ao mundo em humildade e sofrimento para o redimir do pecado, regressará no fim dos séculos, em todo o esplendor da Sua glória para recolher os frutos da Sua obra redentora.

Compreende-se, assim, como a Igreja primitiva, enamorada de Cristo e ansiosa por contemplar novamente o Seu rosto glorioso, esperasse impacientemente a Sua volta. “Vem Senhor Jesus” (Ap 21,20) era a invocação fervorosa dos primeiros cristãos que viviam com o coração voltado para Ele, como se já estivesse à porta. Esta mesma deve ser a atitude de quem compreendeu o sentido profundo da vida cristã: uma espera de Cristo, um caminhar para Ele com a lâmpada da fé e do amor bem acesa.

Agora, na intimidade da nossa alma, dizemos a Jesus: “Procuro, Senhor a Tua face, que um dia, com a ajuda da tua graça, terei a felicidade de ver face a face”(Sl 26,8).

Da nossa parte, devemos estar atentos aos sinais de Deus, confiantes nas palavras de Cristo, que nos garante: “o Céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão” (Mc 13, 31).

 

Mons. José Maria Pereira